Dia 31 de Maio: Dia mundial sem Tabaco

Dia 31 de maio, é o Dia Mundial Sem Tabaco, data criada pela Organização Mundial da Saúde (OMS) para alertar sobre os riscos do fumo e lutar pela instituição de regulamentações eficazes que reduzam o consumo dos produtos derivados do tabaco.

Estima-se que, em todo o mundo, 1,3 bilhão de pessoas são fumantes.

Entre eles, mais de 20 milhões são brasileiros.

De acordo com o Instituto Nacional de Câncer (Inca), quase *6 milhões morrem por ano devido ao tabagismo*, sendo que 600 mil são fumantes passivos.

A campanha deste ano apela para a padronização das embalagens. A medida propõe a restrição do uso de cores, elementos gráficos e informações promocionais nos maços.

A nicotina é a grande responsável pela dependência, porque estimula a produção dos hormônios que provocam a sensação de prazer – dopamina e serotonina.

Poucos segundos após a inalação da fumaça, a nicotina chega ao pulmão, atinge o sistema circulatório e o cérebro.

Em menos de uma hora depois de fumar, o corpo sente falta da substância.

“As mais de 4.700 substâncias tóxicas existentes no cigarro são extremamente prejudiciais à saúde.
O consumo do tabaco está associado a 30% das mortes por câncer – sendo mais de 90% deles de pulmão -, 25% dos casos de infarto agudo do miocárdio e quase metade dos derrames cerebrais”, pontua o Dr. João Marcos Salge, Pneumologista do Hospital do Coração (HCor) e membro do Conselho Fiscal da Sociedade Brasileira de Pneumologia e Tisiologia (SBPT).

A previsão da OMS é de que, a partir de 2030, mais de 8 milhões de pessoas morrerão anualmente em decorrência do tabagismo.

Diante do quadro alarmante, é necessário ressaltar que parar de fumar leva a benefícios instantâneos, tais como:

- Após 20 minutos, a pressão e a pulsação já normalizam;

- Em 2 horas, já não há mais nicotina circulando no sangue;

- Entre 12 e 24 horas, os pulmões funcionam melhor;

- Após 1 ano, o risco de morte por infarto cai pela metade;

- Entre 5 e 10 anos, o risco de infarto será igual ao de uma pessoa que nunca fumou.


Fonte: Pneumoblog da Sociedade Brasileira de Pneumologia e Tisiologia (SBPT)